Fiocruz Fiocruz
COLFLEB • Coleção de Flebotomíneos

Histórico






Por iniciativa do Professor Amílcar Vianna Martins e Alda Lima Falcão foram realizados em 1953 os primeiros trabalhos de captura de flebotomíneos que deram origem à atual Coleção de Flebotomíneos. As coletas foram realizadas inicialmente na região da “Caixa de Areia”, Ferrobel, hoje Parque das Mangabeiras, Belo Horizonte, Minas Gerais, com a colaboração do Senhor João Evangelista da Silva, técnico que participou de todos os trabalhos de campo.

Em março de 1955 o Dr. Francisco Ribeiro Bastos, entomologista do então Serviço Nacional de Malária, capturou na Gruta da Lapinha, município de Lagoa Santa, Minas Gerais, nove exemplares de flebótomos, sendo oito fêmeas e um macho, que foram tratados como uma espécie ainda não descrita. Posteriormente, em várias ocasiões, os autores, auxiliados pelos pesquisadores Miguel Alves de Souza e Alberto Rocha Falcão, fizeram capturas no mesmo local, tendo obtido, além do lote primitivo, vários exemplares, dos quais seis pertenciam à nova espécie. A esta nova espécie decidiu-se dar o nome de Phlebotomus renei Martins, Falcão & Silva, 1957, hoje conhecida como Lutzomyia renei, descrita em homenagem ao cientista René Guimarães Rachou, naquele momento Diretor do Centro de Pesquisas René Rachou/Fiocruz, que à época denominava-se Instituto de Malariologia.

Existem ainda algumas particularidades referentes ao acervo da Coleção de Flebotomíneos. O único exemplar conhecido da espécie Lutzomyia appendiculata Martins, Falcão & Silva, 1961 é o holótipo utilizado na descrição original, sendo, certamente, o flebotomíneo mais raro de todo acervo. Passados quase meio século após sua descrição a fêmea permanece desconhecida para a ciência, bem como outros exemplares representativos dessa espécie.

A partir daquele momento o acervo da Coleção aumentou consideravelmente, tanto por coletas realizadas por pesquisadores e técnicos do próprio laboratório, como por doações de especialistas de outras instituições nacionais e estrangeiras.

(texto escrito por José Dilermando Andrade Filho e Paloma Helena Fernandes Shimabukuro, última atualização em 21/08/2017.)


© 2017 Coleção de Flebotomíneos, Instituto René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz